quinta-feira, 8 de julho de 2010

Amo meu marido: DEA

Loteamento Ebenezer – Gravatá –

Gravatá – 24-01.98.

Amo seu rosto, grande, de feições fortes; amo suas cicatrizes, a forma da mandíbula e o queixo. Amo seus olhos mansos, olhando sem olhar, seus olhos pensantes, seus olhos risonhos. Gosto do cheiro, do perfume e do suor.Gosto do cheiro dele ao fazer amor. Gosto das mãos; do músculo forte do polegar, da forma das unhas, dos dedos, da força com que apertam e da ternura infinita quando me acariciam. Amo esse corpo todo, as costas, o peito, as pernas e os pés.

Gosto e amo tudo a uma só vez.

Adoro quando está calmo, quando pensa, quando me passa suas teorias de vida, da existência e do universo, embora nem sempre consiga entender bem o que está dizendo com metáforas.

Gosto de sentir a segurança que me dá tendo como companheiro.

Acho que tem numerosas virtudes, como por exemplo:

-enfrentar a vida com garra, determinação e audácia;

- levar a cabo seus sonhos e fantasias por mais loucas que pareçam, porque se bem me aterrorizam, sempre no fim acabam dando certo – excepcionalmente – não...

Adoro vê-lo empolgado com a casa, a adega, o jardim; admiro como conseguiu vencer as dificuldades da infância, a dor de um pai ausente, a morte da mãe na adolescência, os traços congênitos de uma família inteligentíssima e complicada da qual é um membro permanente; pois apesar da sua inteligência, que é muita, as complicações psicológicas, complicam os seus juízos de valores, e assim mesmo tem vencidos inúmeras vezes.

Amo, admiro e agradeço a forma como levou adiante a relação com meus filhos, e como hoje, depois de 15 anos, conseguiu que lhe tenham verdadeiro amor.

Amo que me aja ensinado a ser um pouco preguiçosa, menos exigente comigo mesma, que tenha me ensinado a dormir a “siesta” e a me entregar ao amor físico; gosto de que goste de me ver arrumada, bem vestida, bonita e que tenha prazer de me apresentar às pessoas que já sabem que existo e aos que já contou a nossa história de amor.

Dá-me confiança saber que quando tem alguma idéia, vai fazendo tudo para conseguir seus propósitos.

Adoro quando olha para Yves e o amor lhe sobe aos olhos e ao sorriso.

Adoro quando sorri! Gosto de ver seus dentes grandes e da forma dos pômulos e seus olhos pequenos em uma linha, quando ri às gargalhadas. Adoro o som das gargalhadas!

Gosto da voz forte, grave e tão amorosamente suave quando me sussurra palavras “amorosamente obscenas”; amorosamente, repito, no enlevo da paixão.

Gosto quando vai para a cozinha e faz seus macarrões, seus queijos fritos, suas tapiocas.

Gosto de sentarmos à mesa, compartir o pão, o vinho e saber que achou gostoso aquilo que preparei. Sempre é ele o primeiro a comer aquilo que cozinho, e adoro que assim seja, porque estou lhe dando algo bom, que ele saboreia com gosto.

Adoro estar com ele em paz e harmonia e senti-lo sábio, maduro e ingênuo, sem ressalvas.

Admiro profundamente sua capacidade de compreensão e paciência quando estou adoentada e seus procedimentos nas emergências médicas; a sua força, calma, entereza com que trata de mim ou do outro, filho, como por exemplo:quando Moriana esteve com Amebíase grave; Yuri – agora – Larisa para ter o filho, eu quando me operei do seio ou passei no Hospital de Natal, onde perdi nossa filhinha.

Nunca vou esquecer sua dedicação e a esperança, que me dava forças para seguir adiante.

Gosto quando olha para mim e sabe de minhas vulnerabilidades, ou o que está escondido detrás do medo ou das palavras.

Adoro sua atitude quando escuta alguma coisa e guarda no espaço mental, reservado para alguma ocasião especial – por exemplo: uma vez eu disse que sempre gostei de relógio “cuco”, e ele , muito tempo depois comprou um para me fazer surpresa. Cada vez que olho o relógio “cuco” ou o relógio de cúpula do apartamento, vejo sua atitude amorosa e de cuidado e isso me trás alegria e emoção lá dentro de meu íntimo.

Admiro sua paciência infinita quando quero carregar plantas, sementes, etc... livros, quando de nossas viagens.

Adoro dançar com ele, que me leva ao ritmo da música, quando desfrutamos juntos dessa intimidade gostosa que dá o movimento, o som e o ritmo.

Gosto de ver filmes juntos, encostar-me nele e entender as mesmas coisas sem precisar falar nada; é como se nossas mentes fossem uma só.

Adoro dormir juntos com as pernas encostadas, sentindo um a pele do outro.

Agradeci e amei sua atitude quando me deu apoio, confiança e ajuda na doença e morte de minha madrinha e de meu pai.

Adoro viajar juntos, ver cidades e parques, restaurantes e tudo o que outras culturas têm para oferecer; sentar-nos, contemplar, comentar, desfrutar juntos, de tudo com a mesma intensidade e o mesmo entusiasmo – deixando fluir idéias, pensamentos, apreciações.

Adoro sua capacidade para criar documentos, papéis, ordens de pedido, orçamentos, sei lá, tudo o que é burocrático e que eu não tenho a mínima facilidade.

Divirto-me com suas piadas, suas fantasias eróticas, seus lances de jardineiro, horticultor, marceneiro, construtor e tudo o que tem sido sua vida.

Admiro como tem capacidade para tudo o que se propõe fazer com seriedade e como consegue levar adiante seus planos mais incríveis.

Acho admirável como se preocupa comigo e faz todo o possível para me dar o que quero, o que advinha que quero, e como me ajuda a compartilhar com minha família, momentos inesquecíveis, tais como, os quinze anos de Yuri em Bariloche ou na formatura de Larisa em Limeira ou o Natal em Gravatá.

Me deixa muito grata ver que é caprichoso com o jardim, os caminhos, os muros, enfim, tudo o que faz para deixar nossa casa melhor.

Gosto de ver-lhe bem vestido, perfumado, barbeado, elegante, e também de jeans trabalhando, fazendo, resolvendo.

Amo este homem por estas e mil razões a mais que não se podem explicar; como ele mesmo diz: amor não se pensa, se sente.

Teria muito mais para dizer, porém, seria talvez muito longo e não sei se é bem isso que você, Yascara, quer de mim.

Outro dia escrevo a outra parte que acho bem mais difícil de fazer.

VIRTUDES SEM EXPLICAÇÕES:

Inteligência;

Tenacidade;

Audácia;

Compreensão;

Interesse;

Imaginação.

Dea Cirse Garcia Coirolo Antunes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário